Cat-1

Cat-2

Cat-3

Cat-4

Julho 2016

Hoje resolvi compartilhar algo pessoal com você. Como diz em minha mini bio ao rodapé, sou músico. Toco em bares, na noite, e também em palcos maiores, com minha banda autoral. Como dizem por aí (e é bem clichê, mas verdade pura), "barzinho é escola". Aqui aprendemos tudo sobre a profissão: desde a entender seus limites físicos e psicológicos, aperfeiçoando nossa técnica, presença de palco, feeling, entrosamento, mas também sobre relações humanas. Lidar com gente é... Complicado. Mas somos seres sociais, então temos de engolir essa e aprender como não sair por aí cortando cabeças.

Uma das primeiras coisas que entendi quando comecei a tocar profissionalmente em barzinhos é que tocar música não-vulgar é, infelizmente, exceção. A esmagadora maioria da população é criada pela Som Livre e toda a sua megaestrutura que enfia goela abaixo seus "sucessos" através da mídia convencional. Então, toco apenas o que gosto. Sou incapaz de dedicar dez minutos da minha vida a estudar uma música do Safadão, por exemplo. Vivo me gabando que trabalho com o que gosto, e fazer algo assim seria controverso e triste. Tem muito músico triste por aí, por sinal.

Mas o resto do mundo pensa diferente, e está altamente condicionado. Não são raras as vezes em que vejo os garçons de um bar esperando ansiosamente por um intervalo no show para colocar suas pérolas no som mecânico. Tipo... Toquei RaulBelchiorLed ZeppelinBeatlesJohnny Cash, minhas músicas próprias e os garotinhos mal esperam eu terminar de anunciar que voltaremos em dez minutos, e já vem aquele maldito pancadão com letras... Singulares. Acabaram com todo o clima que criamos nas últimas duas horas e ainda mandaram a mensagem: "sua música não é bem-vinda". Muitas vezes os funcionários pensam diferente do patrão, claro. Quem me contratou foi o dono do bar, não os garçons, mas ele provavelmente está ocupado demais para prestar atenção nesse "pequeno" detalhe, que faz uma grande diferença: a identidade sonora do seu estabelecimento.

Tocando na noite passamos a observar, inclusive, as falhas e acertos de um empreendimento. Vemos clientes se irritarem, funcionários e patrões vacilarem feio, ou acertarem bonito também. Inclusive, algo que a maioria dos donos de bar não percebem: nós, os músicos, também somos formadores de opinião para a clientela do lugar. Não se engane: o músico é um prestador de serviço, mas no dia seguinte pode ser um cliente como qualquer outro, mas com um conhecimento extra sobre o lugar. Se a comida não for boa, o atendimento for ruim, as condições de higiene não forem decentes, jamais levaremos nossa família ou amigos a esse lugar. Não que saiamos por aí queimando o filme dos outros, mas as pessoas perguntam, naturalmente... E nós respondemos. Eu jamais irei a um bar que toca música que não gosto, por mais aconchegante que seja, ou a um restaurante cuja cozinha eu sei que é suja.

Para sanar esse inconveniente do som mecânico antes, nos intervalos e após nossas apresentações, criei, no Spotify, uma playlist com músicas que têm a ver com o meu estilo (basicamente fico no blues-country-rock-folk) e que não assustariam pessoas as ser tocadas num bar comum. A lista de nomes é gigantesca, assim como a própria playlist, que sempre sofre atualizações. MalfoMusic to Save Us from that Shit traduz um pouco do meu gosto pessoal, com esse propósito: fazer o pano de fundo para minhas próprias apresentações por aí, então não espere encontrar as músicas mais pesadas ou experimentais de determinada banda: é música (que eu considero) boa, para ambientar situações, sem muito impacto.

Estou sempre adicionando novas músicas, o que significa que há muitas de um mesmo artista em sequência, portanto a melhor forma de escutar é no modo aleatório. Assim não fica enjoativo e dá mais chances de você descobrir algo interessante, ainda desconhecido. Essa playlist fica em meu tablet, preso ao pedestal do microfone para servir de auxílio com as letras, em ponto de bala, plugada à mesa de som. Quando eu digo que vamos fazer um intervalo, aperto o play imediatamente, sem dar chance para qualquer Psirico dar as caras. Como são músicas que eu gosto, vivo escutando no dia-a-dia também. Espero que curta e, fique à vontade para me sugerir alterações.

Toque agora esta faixa da Distintivo Blue
Atendendo a pedidos, aqui está a letra cifrada de Meu Amigo Blues, sétima faixa do álbum Todos os Dias, Vol. 1 (2015). Temos aqui um blues mais tradicional, com uma letra um tanto depressiva, de uma personagem atormentada pelo arrependimento. Confira:

MEU AMIGO BLUES
(I. Malforea)


Tom: A#
Intro: A# G# G F# F

A#                        D#
Bem que me disseram que o blues
                A#  A#7
Não me abandonaria
D#
Que daria as caras justamente
            A#  A#7
Nos piores dias

F                          D#
Como neste momento em que choro
             A# G# G F# F
Com a alma vazia

A#                        D#
E mais uma vez eu fiz de tudo
           A#    A#7
Mas tudo errado (droga!)
D#
"A flecha lançada, a palavra dita"
              A#  A#7
A pedra no telhado

F                            D#
Quem atira, quem diz e quem joga
               A# G# G F# F
Não será perdoado

A#                         D#
Se pra morrer basta estar vivo
                        A#    A#7
Pra tar só basta estar junto
D#
Pra se arrepender basta fazer
                       A#  A#7
Pra ter nada é só ter algo

F                      D#
E pra reviver basta morrer
                   A# G# G F# F
Ou esquecer do passado
  
A#                               D#
Então meu amigo blues que me acompanha
                            A#    A#7
Me ajude a encerrar este assunto
D#
Eu preciso é de uma amnésia
                        A#  A#7
Ou de uma frieza instantânea

F                       D#
Quero mais amor e menos dor
                             A# G# G F# F
E dormir assim que cair na cama

SOLO (mesma sequência)

Repete toda a letra

SOLO (mesma sequência)

F                       D#
Quero mais amor e menos dor
                             A# G# G F# F | B A#
E dormir assim que cair na cama

(Cifrado por I. Malforea)







Gostaria que postássemos mais músicas cifradas? Peça aqui embaixo, nos comentários.


CDS, MP3, MÚSICAS CIFRADAS, ZINE E TUDO MAIS NO SITE OFICIAL DA DISTINTIVO BLUE:
http://www.distintivoblue.com

ASSINE O CANAL DA DISTINTIVO BLUE NO YOUTUBE:

http://www.youtube.com/distintivoblue

SIGA A DISTINTIVO BLUE NO TWITTER:

http://www.twitter.com/distintivoblue

SIGA A DISTINTIVO BLUE NO INSTAGRAM:

http://www.instagram.com/distintivoblue

CURTA A FANPAGE DA DISTINTIVO BLUE NO FACEBOOK:

http://www.facebook.com/distintivoblue 

SIGA-NOS NO BANDSINTOWN E SAIBA DOS NOSSOS SHOWS COM ANTECEDÊNCIA:

http://www.bandsintown.com/DistintivoBlue

CONTRATE A DISTINTIVO BLUE:

contato@distintivoblue.com

---------------------------------------------------


OUÇA A DISTINTIVO BLUE:

NO SPOTIFY:

NA ITUNES STORE:

NA DEEZER:

NA RDIO:

NA GOOGLE PLAY:

NA ONERPM:

NA AMAZON:
Os Diglett Joes da Distintivo Blue

Os Diglett Joes são uma subdivisão da Distintivo Blue, criada para alcançar locais onde a banda não conseguiria, como locais menores, eventos mais intimistas ou mesmo locais onde o blues não é tão bem-aceito. Por isso também optamos pelo formato acústico: duas vozes, violões, gaitas e cajón. Tudo isso num power duo, formado por I. Malforea e Lavus Bittencourt.

O repertório é bem variado e é composto por músicas que gostamos. O estilo sempre caminha entre o blues, country, rock e folk, sendo que certas canções de fora desse grupo acabam por receber essa roupagem. Claro, as músicas autorais da Distintivo Blue não ficam de fora, afinal, são elas que nos distinguem de quaisquer outros artistas no mundo.

Possíveis contratantes e curiosos sempre nos perguntam sobre o repertório, então tivemos a ideia de criar uma playlist no Spotify contendo a maior parte das músicas que tocamos. As que ficaram de fora ou não estão disponíveis no Spotify ou são nossas próprias músicas, que ainda não foram gravadas.

A tendência é que esta playlist sempre cresça, já que sempre buscamos renovar nosso acervo. Aumente o volume e confira o som-base dos nossos shows. Vale lembrar que nem todas são tocadas como nas gravações (algumas de forma totalmente diferente): gostamos de dar nossa cara e personalidade ao trabalho.






CDS, MP3, MÚSICAS CIFRADAS, ZINE E TUDO MAIS NO SITE OFICIAL DA DISTINTIVO BLUE:
http://www.distintivoblue.com

ASSINE O CANAL DA DISTINTIVO BLUE NO YOUTUBE:

http://www.youtube.com/distintivoblue

SIGA A DISTINTIVO BLUE NO TWITTER:

http://www.twitter.com/distintivoblue

SIGA A DISTINTIVO BLUE NO INSTAGRAM:

http://www.instagram.com/distintivoblue

CURTA A FANPAGE DA DISTINTIVO BLUE NO FACEBOOK:

http://www.facebook.com/distintivoblueoficial

SIGA-NOS NO BANDSINTOWN E SAIBA DOS NOSSOS SHOWS COM ANTECEDÊNCIA:

http://www.bandsintown.com/DistintivoBlue

CONTRATE A DISTINTIVO BLUE:
contato@distintivoblue.com
Confira minha participação no Na Porteira Cast


Hoje é um dia bem especial: saiu o episódio 79 do Na Porteira Cast, seguramente um dos meus três podcasts favoritos atualmente. Mas e aí? Qual a novidade? Simples, jovem mancebo: desta vez eu estou lá como convidado, e falando do que mais amo na vida: música.

Eu, o Randal Bergamasco, o Arnon Rodrigo (NossoCast) e o Sérgio Siverly (Podcast F1 Brasil) fizemos um geralzão sobre o assunto: o que é música? Existe música boa ou ruim? E o mercado musical, a quantas anda? Música eletrônica é mesmo música? Quais as diferenças entre música erudita, popular, folclórica, comercial? Tudo isso num bate-papo bem descontraído de quase uma hora e meia.

Ouça, comente, compartilhe e, caso ainda não conheça, assine o feed do NPC. O link do episódio é ESTE AQUI.



CDS, MP3, MÚSICAS CIFRADAS, ZINE E TUDO MAIS NO SITE OFICIAL DA DISTINTIVO BLUE:
http://www.distintivoblue.com

ASSINE O CANAL DA DISTINTIVO BLUE NO YOUTUBE:

http://www.youtube.com/distintivoblue

SIGA A DISTINTIVO BLUE NO TWITTER:

http://www.twitter.com/distintivoblue

SIGA A DISTINTIVO BLUE NO INSTAGRAM:

http://www.instagram.com/distintivoblue

CURTA A FANPAGE DA DISTINTIVO BLUE NO FACEBOOK:

http://www.facebook.com/distintivoblueoficial

SIGA-NOS NO BANDSINTOWN E SAIBA DOS NOSSOS SHOWS COM ANTECEDÊNCIA:

http://www.bandsintown.com/DistintivoBlue

CONTRATE A DISTINTIVO BLUE:
contato@distintivoblue.com
Os Joes da Distintivo Blue: artista tem função social: não só mercadológica
Por I. Malforea
A Distintivo Blue segue sua trajetória, preocupada não apenas com o próprio umbigo, mas também com o que está à sua volta: após a doação de livros à Biblioteca Municipal de Vitória da Conquista, cidade-base da banda, chegou a vez de colaborar com outro setor importante da sociedade: os protetores dos animais. Neste sentido, não é a primeira vez que isso acontece (a banda tem colaborado desde antes mesmo de nascer), mas por considerar válido informar aos fãs dos passos que damos e, ainda, incentivar de alguma forma que façam o mesmo, resolvemos tornar pública mais esta ação.

Há muitas pessoas, verdadeiras guerreiras, em nossa cidade, cuidando daqueles que sofrem por não ser capazes de gritar por socorro ou mesmo denunciar abusos. Como dissemos em 2012, Miopia, "diante dos mais fracos mostramos o quão somos racionais", e há muita, muita irracionalidade em nossa "civilização". A entidade mais conhecida na cidade é a AMA - Associação Amiga dos Animais, que possui sede no bairro Cidade Maravilhosa, mas há muitas pessoas agindo individualmente e de forma anônima, inclusive criando seus próprios abrigos. Há também médicos veterinários que colaboram com os cuidados com animais abandonados.

Recentemente descobrimos o Grupo Quatro Patas, também desenvolvendo um grande e nobre trabalho de proteção aos animais de rua. Possui um espaço menor, por ser mais recente, mas é bastante ativa. à AMA doamos, em maio, cerca de 700 telhas, que foram úteis à construção de novos canis, além de uma cobertura de lona e alguns quilos de ração. Ao Grupo Quatro Patas doamos, há algumas semanas, um conjunto de grades de canil, dois portões de madeira e alguns materiais menores, como um colar elizabetano para cães de grande porte. Tudo usado, mas em boas condições.

A questão é: o que é preciso para ajudar? Essencialmente boa vontade: você pode colaborar com o que está em seu alcance. Esse trabalho é feito em conjunto, um passo por vez. As entidades possuem perfis em redes sociais (veja links ao final do post) e sempre publicam sobre eventos, necessidades, casos específicos e tudo o mais. Os abrigos são locais com necessidades bem comuns: material de limpeza, ração, medicamentos, mão-de-obra, etc. Você pode ajudar, desde compartilhando um post, até doando material de limpeza, ajudando a limpar o local ou a cuidar dos peludos. Até mesmo jornal velho ou o simples transporte de doações são de grande ajuda.

Recentemente, vários protetores criaram casinhas de cachorro construídas com bacias comuns para abrigar animais de rua no inverno (clique aqui). Esta é uma boa forma de começar a ajudar, doando bacias, cobertores, ajudando a divulgar, protegendo as casinhas de vândalos e das intempéries... Enfim, se há a boa vontade, sempre se encontrará uma forma viável de colaborar. Só não vale ficar indiferente ou atrapalhar. Por sinal, sempre há a turma do "vocês deveriam ajudar crianças de rua, ao invés de animais". Geralmente são as pessoas que não ajudam nem um, nem outro que dizem esses clichês preguiçosos. "Fazer o bem, sem olhar a quem". Não acreditamos que um ser vivo tenha mais valor que outro, já que todos temos o mesmo habitat e partilhamos a busca pelo bem-estar: todo ser vivo deseja continuar vivo... E em paz.

Uma ótima forma de contribuir é adotando um animal de um dos abrigos. para isso, basta entrar em contato com as entidades. A AMA faz uma feira de adoção todos os sábados, na avenida Lauro de Freitas, em frente à Central dos Importados, a partir das 10:30h da manhã. Outros protetores fazem feiras de adoção constantemente. Claro, só adote se realmente tiver disposição e condições de cuidar bem de um focinhudo: estamos falando de uma vida, que será totalmente dependente de você, e não de um brinquedo descartável. Se não for capaz de ajudar, não atrapalhe.

Enfim, o que não falta por aí é quem precise de ajuda, e você pode usar sua criatividade para colaborar. Aqui embaixo estão os links das páginas das entidades protetoras no Facebook. Curta, ative as notificações e fique atento(a) ao que elas postam. Compartilhe sempre e tome iniciativas próprias também, afinal, não estamos sozinhos no mundo e muito menos somos o centro dele.

Vitória da Conquista-BA
AMA - Associação Amiga dos Animais: clique aqui
Grupo Quatro Patas: clique aqui

Nacional
ANDA - Agência de Notícias de Direitos dos Animais: clique aqui
Como denunciar maus-tratos a animais - Guia básico: clique aqui




Tudo sobre a banda no SITE OFICIAL da Distintivo Blue:
www.distintivoblue.com

TWITTER (siga-nos e interaja conosco por lá):
http://www.twitter.com/distintivoblue

YOUTUBE (nossos vídeos estão todos aqui):
http://www.youtube.com/distintivoblue

FACEBOOK (material exclusivo da banda. Curta agora):
www.facebook.com/distintivoblue

INSTAGRAM (fotos de shows, ensaios, selfies dos integrantes e tudo o mais):
http://www.instagram.com/distintivoblue

BANDSINTOWN (aqui é a nossa agenda atualizada. Siga-nos e sempre saiba onde estamos):
http://www.bandsintown.com/DistintivoBlue

SPOTIFY (siga-nos por lá e ouça toda a nossa discografia):
https://open.spotify.com/artist/5WBBzGauVrhPvNQ201XyYx

E-MAIL (fale conosco sobre qualquer coisa, inclusive sobre shows em sua cidade. =] ):
contato@distintivoblue.com



Navegando pelo Southern Rock Brasil, me deparei com um som muito interessante, recém lançado (24 de junho), num estilo chamado conhecido por red dirt, referência aos artistas do estado de Oklahoma, cuja cor típica do solo é vermelha. Também há sempre a menção ao estilo chamado americana, que nada mais é que aquela amálgama de estilos tipicamente estadunidenses, como o blues, folk, country, rock n' roll, e mais alguns, que acabam por formar a identidade musical do país. Se fôssemos patriotas, seu equivalente por aqui seria o termo MPB. Finalmente, falo do cantor, músico e compositor Levi Parham.

Eu poderia apresentar o novo disco, mas sua discografia ainda é pequena, então podemos nos dar o luxo de conhecer toda a sua obra neste post. Seu estilo mudou um pouco em cada um dos seus três trabalhos (dois álbuns e um EP), sendo que o primeiro, An Okie Opera, tem uma sonoridade bluesy/country acústica, revelando a forte ligação com sua região. O segundo disco, o EP, Avalon Drive, já lembra uma sonoridade anos 90, e várias vezes me fez lembrar do canadense Bryan Adams, enquanto o disco mais recente, These American Blues, já soa mais caprichado e lembra, num trecho ou outro, a sonoridade do Blackberry Smoke. Bom, essas são as minhas referências. Você pode encontrar muito mais por conta própria.

Esta é uma descoberta que, junto a nomes como Jack BroadbentAlice GoldThe RailbendersGin WigmoreScott Bradlee's Postmodern Jukebox e muitos outros, só confirmam o que todo mundo já sabe: a boa música não deixou de existir: pelo contrário, ela está muito mais ampla e pulsante, apenas saiu da mídia mainstream. Temos infinitos tesouros esperando ser descobertos e que nunca estarão numa propaganda na TV. Levi Parham é um grande artista, que talvez nem imagine o quão longe suas músicas estão chegando. Pois bem, vamos passar adiante a mensagem.





Links:

Este post saiu primeiro no Troca o Disco



CDS, MP3, MÚSICAS CIFRADAS, ZINE E TUDO MAIS NO SITE OFICIAL DA DISTINTIVO BLUE:
http://www.distintivoblue.com

ASSINE O CANAL DA DISTINTIVO BLUE NO YOUTUBE:

http://www.youtube.com/distintivoblue

SIGA A DISTINTIVO BLUE NO TWITTER:

http://www.twitter.com/distintivoblue

SIGA A DISTINTIVO BLUE NO INSTAGRAM:

http://www.instagram.com/distintivoblue

CURTA A FANPAGE DA DISTINTIVO BLUE NO FACEBOOK:

http://www.facebook.com/distintivoblue

SIGA-NOS NO BANDSINTOWN E SAIBA DOS NOSSOS SHOWS COM ANTECEDÊNCIA:

http://www.bandsintown.com/DistintivoBlue

CONTRATE A DISTINTIVO BLUE:
contato@distintivoblue.com
Confira agora o novo clipe da Distintivo Blue

"Na Trilha do Blues" é uma das músicas mais aclamadas da Distintivo Blue. Foi lançada no EP "Riffs, Shuffles, Rock n' Roll" (2012), representou os Joes em festivais e coletâneas de blues e continua dando seu recado.

Na Trilha do Blues
Letra: Thomaz Oliveira
Arranjos: Distintivo Blue
EP: Riffs, Shuffles, Rock N' Roll
Gravada em 2012 no Estúdio Drummond
Produzida por I. Malforea

Distintivo Blue
I. Malforea - voz, violão
Lavus Bittencourt - guitarra, voz
Rodrigo Bispo no Baixo - contrabaixo
Nephtali Bitencourt - bateria

Laborato Music and Entertainment
Direção: Thomaz Oliveira, I. Malforea
Imagens: Date Sena, Thomaz Oliveira
Edição: Thomaz Oliveira

Agradecimentos:
Lú do Blues
Tales Dourado
Museu Regional de Vitória da Conquista - Casa Henriqueta Prates
Centro de Cultura Camillo de Jesus Lima
Plácido e Adriana Gusmão
Rômulo Fonseca



© 2016 Distintivo Blue




Letra cifrada e mais detalhes no SITE OFICIAL da Distintivo Blue:
www.distintivoblue.com

TWITTER (siga-nos e interaja conosco por lá):
http://www.twitter.com/distintivoblue

YOUTUBE (nossos vídeos estão todos aqui):
http://www.youtube.com/distintivoblue

FACEBOOK (material exclusivo da banda. Curta agora):
www.facebook.com/distintivoblue

INSTAGRAM (fotos de shows, ensaios, selfies dos integrantes e tudo o mais):
http://www.instagram.com/distintivoblue

BANDSINTOWN (aqui é a nossa agenda atualizada. Siga-nos e sempre saiba onde estamos):
http://www.bandsintown.com/DistintivoBlue

SPOTIFY (siga-nos por lá e ouça toda a nossa discografia):
https://open.spotify.com/artist/5WBBzGauVrhPvNQ201XyYx

E-MAIL (fale conosco sobre qualquer coisa, inclusive sobre shows em sua cidade. =] ):
contato@distintivoblue.com





Robert Plant, o vocalista do Led Zeppelin, eleito pelos ouvintes da rádio inglesa Planet Rock a maior voz do rock. Autointitulado Deus Dourado, passou a ser alvo dos holofotes a partir do dia em que conheceu um sujeito estranho e sinistro chamado Jimmy Page. Plant sempre foi o tipo de cara que despertava amor e ódio. Desde os tempos de escola tinha fama de arrogante e muito seguro de si. Era um adolescente quando os Beatles e os Stones já eram famosos. Conheceu o blues americano e nunca mais largou.

Robert Plant: Uma Vida, de Paul Rees é uma boa e rara obra que ultrapassa os limites óbvios das inúmeras biografias do Led Zeppelin. Sempre que se fala desta banda parte-se do ângulo do Page, com sua luta por um lugar ao sol com os destroços dos Yardbirds. Desta vez o filme é multicâmera e escolhemos o ângulo do garoto de Black Country, local que nunca abandonou e se tornou seu refúgio. Aqui temos uma boa narração sobre os acontecimentos pré-page: a curiosidade pela música, os conflitos em casa e apenas uma certeza: a música seria sua vida!

Muita gente não se conforma com as constantes esquivas de Plant quando o assunto é um retorno do Led (Jimmy Page é o mais inconformado, sem dúvida). Antes eu achava que ele apenas era um cantor experiente que tinha noção dos seus limites, devido à ação do tempo e o modo agressivo com o qual sempre tratou suas cordas vocais. Agora ficou bem claro que o buraco é bem mais embaixo... E sombrio!

Coincidência ou não, as grandes tragédias de sua vida aconteceram durante seus tempos de deus dourado: acidentes, problemas mil e as mortes de seu filho Karac e seu amigo John Bonham criaram uma atmosfera pesada em torno da banda, o que criou a lenda urbana de que o Led carregava consigo uma espécie de maldição. Jimmy Page, claro, envolvido com ocultismo e se afundando nas drogas só adicionava mais lenha à fogueira. O gigante, tão minuciosamente construído estava descontrolado e a mil por hora. Óbvio que mais cedo ou mais tarde algo terrível e barulhento aconteceria.

Passada essa parte presente em qualquer biografia do Led, o livro segue adiante no lento processo de renascimento de Plant, ao longo de três décadas. Plant havia se acostumado a "receber" ordens do chefe, Page, e agora deveria ser o maquinista de seu próprio trem. Foi se descobrindo como indivíduo após seu auge, o que lhe pareceu assustador. Buscou se adequar às novidades de sua época até chegar ao patamar atual, de grande gênio da criação musical, sempre cercado dos melhores parceiros. Se seus primeiros trabalhos são datadíssimos e não convencem muito, os mais recentes, a partir de Mighty Rearranger (2005) parecem de extremo bom gosto e talento.

Apesar de sempre evitar, a sombra do Led Zeppelin o persegue até hoje. São tempos dolorosos que o castigam com culpa e dor dia após dia. Para a tristeza do seu maior amigo e inimigo, Jimmy Page, que encara a banda como seu "bebê", tal qual Roger Waters com o Pink Floyd. O livro nos possibilita conhecer aspectos mais íntimos da lenda do rock, que não escondia, quando mais jovem, sua intenção de se tornar o "Elvis Loiro". Sua relação com as mulheres (milhões!) e seus projetos pouco conhecidos, como a banda de rockabilly The Honeydrippers, cujo EP está até mesmo na Spotify, camuflado, além de sua parceira da nova Band of Joy, Patty Griffin, cujo disco American Kid também conta com Plant nos vocais. Aliás, provavelmente a única mulher de quem Plant se aproximou e não se relacionou foi a bela Alison Krauss, que foi iluminada com um dos melhores discos da década passada, Raising Sand, em parceria com Robert.

Este é um livro muito bem escrito, de fácil e rápida leitura, como um bom texto de um jornalista deve ser. Curiosamente, não foi muito divulgado aqui no Brasil. O encontrei por acaso e comprei. Valeu a pena. Fundamental para os que desejam conhecer melhor tudo à volta do Led Zeppelin, e não se prende ao "mais do mesmo" tão óbvio em qualquer história sobre a banda. De quebra, ainda ganhamos bastante bagagem musical para ocupar nossos ouvidos e mentes por um bom tempo.

Robert Plant: Uma Vida
Autor: Paul Rees
Editora: Leya
Edição: 1ª (2014)
Nº de páginas: 303 + 16 (fotos)
https://dl.dropbox.com/u/17489549/DistintivoBlue.com/Artecete_carimbo.jpghttps://dl.dropbox.com/u/17489549/DistintivoBlue.com/Artecete_carimbo.jpghttps://dl.dropbox.com/u/17489549/DistintivoBlue.com/Artecete_carimbo.jpghttps://dl.dropbox.com/u/17489549/DistintivoBlue.com/Artecete_carimbo.jpg

CDS, MP3, MÚSICAS CIFRADAS, ZINE E TUDO MAIS NO SITE OFICIAL DA DISTINTIVO BLUE:
http://www.distintivoblue.com

ASSINE O CANAL DA DISTINTIVO BLUE NO YOUTUBE:

http://www.youtube.com/distintivoblue

SIGA A DISTINTIVO BLUE NO TWITTER:

http://www.twitter.com/distintivoblue

SIGA A DISTINTIVO BLUE NO INSTAGRAM:

http://www.instagram.com/distintivoblue

CURTA A FANPAGE DA DISTINTIVO BLUE NO FACEBOOK:

http://www.facebook.com/distintivoblueoficial

SIGA-NOS NO BANDSINTOWN E SAIBA DOS NOSSOS SHOWS COM ANTECEDÊNCIA:

http://www.bandsintown.com/DistintivoBlue

CONTRATE A DISTINTIVO BLUE:
contato@distintivoblue.com

Leia!

Ouça!

Assista!

Cat-5

Cat-6